Todas las entradas de: Paulo Cesar X Pereira

Professor da FAUUSP - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo no Departamento de História da Arquitetura e Estética do Projeto, desde 1978. Dedica-se à pesquisa das condições sociais do desenvolvimento técnico da indústria da construção na cidade de São Paulo com ênfase na perspectiva dos Fundamentos Sociais da Arquitetura, do Urbanismo e da Urbanização. Bacharel em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (1974), Licenciado em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (1975), Mestre em Ciência Sociais pela Universidade de São Paulo (1984), Doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (1990) e estagiou em nível de pósdoutorado na Ècole dArchitecture de Grenoble (1992). O ponto forte das pesquisas é o estudo histórico da construção social da cidade do ponto de vista da produção do espaço. Esse estudo é realizado a partir da ótica de uma história urbana que busca compreender a constituição socioespacial da cidade, as condições do desenvolvimento técnico e industrial, também, os impasses e as potencialidades da política habitacional e urbana frente a propriedade e a renda da terra. Assim, para os diversos momentos da história da construção da cidade de São Paulo por meio de pesquisas específicas tem aprofundado o conhecimento das continuidades e rupturas nos processos de construção/transformação/apropriação da cidade: a sua fundação, a persistência da taipa e sua negação como técnica construtiva, a demolição da cidade colonial e sua reconstrução com tijolos pela constituição da moderna propriedade da terra e mercantilização do trabalho de construir, a primeira modernização da cidade e a difusão de materiais industrializados, a estruturação da metrópole e a incorporação imobiliária, a provisão habitacional e arquitetura moderna, a segregação e espoliação imobiliária, a crise urbana e da proposta modernista, a desconcentração metropolitana e reestruturação imobiliária, as novas formas de concepção, de realização do projeto e construção do espaço, os novos produtos imobiliários e a informatização com seus desdobramentos na arquitetura e na urbanização. Considera que um ponto crítico da gestão atual da cidade de São Paulo não está simplesmente em seu tamanho, mas está no nível atingido pela desigualdade socioespacial e, daí que aponta como relevante para a superação do impasse metropolitano, a necessidade de aprofundar o conhecimento teórico e histórico das dinâmicas industrial, urbana e imobiliária como combinação das diferentes formas de espoliação (urbana, imobiliária e financeira) com a produção do espaço construído. Enfim, tem desenvolvido pesquisas articulando os seguintes temas: arquitetura, industrialização, urbanização, política habitacional, industrialização da construção, história da cidade, trabalhador da construção, formas de produção da segregação, conflitos urbanos, metropolização, metrópole, globalização, financeirização e reestruturação imobiliária. Foi assessor da Pro-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP, presidente da Comissão de Graduação dos cursos de Arquitetura e Urbanismo e de Design da FAU, participou da CoCAU Coordenação do Curso de Arquitetura e Urbanismo e participou do Conselho do Departamento e da Coordenação do Grupo de Disciplinas de Fundamentos em diferentes momentos.

PARA UNA DISCUSIÓN SOBRE EL VALOR Y EL PRECIO EN LA PRODUCCIÓN INMOBILIARIA

Imagen Ilustrativa : Guilherme Petrella

Autor: Paulo Cesar Xavier Pereira

Este texto busca discutir el problema del valor y del precio de las mercancías, particularmente en su relación con la producción inmobiliaria. Se destaca la persistencia de problemas de la teoria del valor y su relevancia en la fase actual de la urbanización planetária y de la dominación financiera en la acumulación del capital.

El tema importa para el debate científico actual y presenta desdoblamientos políticos, a ser analizados, al avanzar en la comprensión de cómo pueden ser considerados los procesos de capitalización, de especulación y de valorización, como procesos determinados por el capital, conforme a sus estrategias de acumulación.

En la comprensión de la articulación de estos procesos, se buscará enfatizar, en la forma-mercancía, la dialéctica de la relación precio y valor, teniendo en vista profundizar en la formulación clásica de la economía política e indicar cuestiones que serían relevantes para la producción inmobiliaria y que todavía precisam ser discutidas en el ámbito de la teoría del valor. Así, para una mejor comprensión de esos procesos, esta discusión no pretende desenvolver una teoría sobre el valor y el precio de la propiedad inmobiliaria, mas (re)colocar históricamente esa discusión en el ámbito de la forma valor y de la forma mercancía. El punto de partida es que, para avanzar en la discusión, no cabe desenvolver una teoría de la renta, mas comprender la renta y el precio de la tierra como la respuesta para un problema teórico de la teoría del valor, considerando que podría estar mejor resuelta la disputa teórica sobre el papel de la naturaleza en la formación del valor: “Como o valor de troca é uma maneira social específica de expressar trabalho empregado numa coisa, não pode conter mais matéria natural do que, por exemplo, a cotação de cambio” (Marx, [1890] 1968, Livro 1, Vol. 1, p. 91).

Así, Marx entiende que la fuerza del fetiche, persistentemente, se impone, importando mencionar que, en la página siguiente, aún exponiendo sobre el fetichismo de la mercancía y su misterio, Marx, significativamente, indaga: “Há quanto tempo desapareceu a ilusão fisiocrática que a renda da terra origina-se do solo e não da sociedade?” En ese marco, esta discusión procura indicar controversias y argumentos persistentes que vienen desde los inicios de la ciência económica. En seguida, se muestra la recurrencia de algunas cuestiones para enfatizar las dificultades en la comprensión de la relación entre valor y precio. Se pretende indicar que la publicación de O Capital Crítica da Economia Política, a pesar de haber sido la más importante obra para la comprensión del valor y el carácter social del trabajo en la producción de mercancías, deja abiertos algunos problemas, y su lectura se mantiene como um provechoso convite a la reflexión crítica de la sociedad productora de plusvalía. Esa obra estableció una crítica a la Economía Clásica, que se ha esclarecido con el pasar de la historia y ha enriquecido el debate sobre el trabajo, por la posibilidad de refinadas interpretaciones durante todo este tiempo.

Quede claro que no se trata de rescatar una lectura sagrada, sino de encontrar posibles indicios que innoven el conocimiento sobre la sociedad y se abran a la comprensión y al enfrentamiento  de problemas actuales. Así, este texto se estructura en dos secciones, además de esta. La primera, indica que persisten algunas dificultades del tema, que son controversias del momento de la formación de la ciencia económica y se desdoblan en muchos debates recientes, que parecen más recrear críticas que presentar nuevos elementos. En la segunda sección, la relación precio y valor de la propiedad de la tierra es problematizada como condición de la producción inmobiliaria, que se altera desde la urbanización a la financierización, y se discuten sus implicaciones en la formación del valor inmobiliario y en la renta capitalizada. Para finalizar, se apuntan elementos para continuar la discusión.

Véase el artículo completo en el siguiente URL: https://www.researchgate.net/publication/341803588_Para_una_discusion_sobre_el_valor_y_el_precio_en_la_produccion_inmobiliaria

Paulo Cesar X Pereira

Professor da FAUUSP - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo no Departamento de História da Arquitetura e Estética do Projeto, desde 1978. Dedica-se à pesquisa das condições sociais do desenvolvimento técnico da indústria da construção na cidade de São Paulo com ênfase na perspectiva dos Fundamentos Sociais da Arquitetura, do Urbanismo e da Urbanização. Bacharel em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (1974), Licenciado em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (1975), Mestre em Ciência Sociais pela Universidade de São Paulo (1984), Doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (1990) e estagiou em nível de pósdoutorado na Ècole dArchitecture de Grenoble (1992). O ponto forte das pesquisas é o estudo histórico da construção social da cidade do ponto de vista da produção do espaço. Esse estudo é realizado a partir da ótica de uma história urbana que busca compreender a constituição socioespacial da cidade, as condições do desenvolvimento técnico e industrial, também, os impasses e as potencialidades da política habitacional e urbana frente a propriedade e a renda da terra. Assim, para os diversos momentos da história da construção da cidade de São Paulo por meio de pesquisas específicas tem aprofundado o conhecimento das continuidades e rupturas nos processos de construção/transformação/apropriação da cidade: a sua fundação, a persistência da taipa e sua negação como técnica construtiva, a demolição da cidade colonial e sua reconstrução com tijolos pela constituição da moderna propriedade da terra e mercantilização do trabalho de construir, a primeira modernização da cidade e a difusão de materiais industrializados, a estruturação da metrópole e a incorporação imobiliária, a provisão habitacional e arquitetura moderna, a segregação e espoliação imobiliária, a crise urbana e da proposta modernista, a desconcentração metropolitana e reestruturação imobiliária, as novas formas de concepção, de realização do projeto e construção do espaço, os novos produtos imobiliários e a informatização com seus desdobramentos na arquitetura e na urbanização. Considera que um ponto crítico da gestão atual da cidade de São Paulo não está simplesmente em seu tamanho, mas está no nível atingido pela desigualdade socioespacial e, daí que aponta como relevante para a superação do impasse metropolitano, a necessidade de aprofundar o conhecimento teórico e histórico das dinâmicas industrial, urbana e imobiliária como combinação das diferentes formas de espoliação (urbana, imobiliária e financeira) com a produção do espaço construído. Enfim, tem desenvolvido pesquisas articulando os seguintes temas: arquitetura, industrialização, urbanização, política habitacional, industrialização da construção, história da cidade, trabalhador da construção, formas de produção da segregação, conflitos urbanos, metropolização, metrópole, globalização, financeirização e reestruturação imobiliária. Foi assessor da Pro-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP, presidente da Comissão de Graduação dos cursos de Arquitetura e Urbanismo e de Design da FAU, participou da CoCAU Coordenação do Curso de Arquitetura e Urbanismo e participou do Conselho do Departamento e da Coordenação do Grupo de Disciplinas de Fundamentos em diferentes momentos.

More Posts - Website

El vaciamento de la noción de gentrificación Y sus consecuencias para la lucha urbana y el derecho de la ciudad

Paulo Cesar Xavier Pereira

Resumen:

Mucho se ha escrito sobre la noción de gentrificación para describir diferentes procesos de transformaciones socio-espaciales. Primero, se han observado las intervenciones urbanas en los centros de las grandes ciudades, pero luego se observaran que en diferentes ciudades ocurrían transformaciones semejantes y después que ellas pueden se manifestar en diferentes espacios e inclusive en áreas rurales. Hoy, cada vez más se revela un proceso que puede ser entendido de una manera muy amplia y el uso de la palabra gentrificación se ha mantenido para designar esas manifestaciones muy diferenciadas. La argumentación desarrollada en ese artículo es que el uso extensivo de la palabra debilita su sentido crítico inicial de “gentrification” y no adquiere un poder explicativo capaz de elucidar la lucha urbana y la defensa del derecho de la ciudad.

Así, ese artículo parte de la discusión del uso crítico de la palabra, busca identificar su origen crítica y comprehender la difusión del uso de esa noción buscando establecer lo que sería el esencial cuando se observa el proceso típico de transformación socio-espacial denominado como gentrificación.

No se olvida que el termo gentrificación quizás podría ser utilizado para designar los procesos de desplazamientos de población, tales como los descritos por Engels (1873), que los comenta como resultado de condiciones asociadas a las actividades de “la industria de construcción [que] encuentra en la edificación de casas de alquiler elevado un campo de especulación infinitamente más favorable, y solamente por excepción construye casa para obreros”. Pero reconoce que actualmente ese proceso se tornó más significativo para la economía urbana-inmobiliaria por la orientación neoliberal de la política local, que asocia gestión urbana empresarial con el proceso global de las finanzas al nivel mundial.

Así, el artículo se propone a subrayar el entendimiento del modo cómo quedan históricamente conciliadas en el valor de troca de la tierra, la renta capitalizada generada por el alquiler capitalizado sobre elementos antiguos y la generada por la producción inmobiliaria nueva. Y, a modo de orientar la lucha por su apropiación y del espacio urbano señala la fundamentación de los conflictos en la reproducción del capital por la producción del espacio y los intensos desplazamientos de la populación en las aglomeraciones contemporáneas. Tentará distinguir lo típico del específico en lo urbano de la producción de producción del espacio urbano. Considera que la gentrificación es típica de las áreas más valorizadas y centrales de las ciudades de los países centrales tal como la llamada autoconstrucción es típica de áreas más depreciadas de las periferias de las ciudades de los países periféricos.

 

Imagen ilustrativa: Guilherme Petrela

Véase el artículo completo en el siguiente URL: http://contested-cities.net/working-papers/2016/el-vaciamiento-de-la-nocion-de-gentrificacion-y-sus-consecuencias-para-la-lucha-urbana-y-el-derecho-de-la-ciudad/

Paulo Cesar X Pereira

Professor da FAUUSP - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo no Departamento de História da Arquitetura e Estética do Projeto, desde 1978. Dedica-se à pesquisa das condições sociais do desenvolvimento técnico da indústria da construção na cidade de São Paulo com ênfase na perspectiva dos Fundamentos Sociais da Arquitetura, do Urbanismo e da Urbanização. Bacharel em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (1974), Licenciado em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (1975), Mestre em Ciência Sociais pela Universidade de São Paulo (1984), Doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (1990) e estagiou em nível de pósdoutorado na Ècole dArchitecture de Grenoble (1992). O ponto forte das pesquisas é o estudo histórico da construção social da cidade do ponto de vista da produção do espaço. Esse estudo é realizado a partir da ótica de uma história urbana que busca compreender a constituição socioespacial da cidade, as condições do desenvolvimento técnico e industrial, também, os impasses e as potencialidades da política habitacional e urbana frente a propriedade e a renda da terra. Assim, para os diversos momentos da história da construção da cidade de São Paulo por meio de pesquisas específicas tem aprofundado o conhecimento das continuidades e rupturas nos processos de construção/transformação/apropriação da cidade: a sua fundação, a persistência da taipa e sua negação como técnica construtiva, a demolição da cidade colonial e sua reconstrução com tijolos pela constituição da moderna propriedade da terra e mercantilização do trabalho de construir, a primeira modernização da cidade e a difusão de materiais industrializados, a estruturação da metrópole e a incorporação imobiliária, a provisão habitacional e arquitetura moderna, a segregação e espoliação imobiliária, a crise urbana e da proposta modernista, a desconcentração metropolitana e reestruturação imobiliária, as novas formas de concepção, de realização do projeto e construção do espaço, os novos produtos imobiliários e a informatização com seus desdobramentos na arquitetura e na urbanização. Considera que um ponto crítico da gestão atual da cidade de São Paulo não está simplesmente em seu tamanho, mas está no nível atingido pela desigualdade socioespacial e, daí que aponta como relevante para a superação do impasse metropolitano, a necessidade de aprofundar o conhecimento teórico e histórico das dinâmicas industrial, urbana e imobiliária como combinação das diferentes formas de espoliação (urbana, imobiliária e financeira) com a produção do espaço construído. Enfim, tem desenvolvido pesquisas articulando os seguintes temas: arquitetura, industrialização, urbanização, política habitacional, industrialização da construção, história da cidade, trabalhador da construção, formas de produção da segregação, conflitos urbanos, metropolização, metrópole, globalização, financeirização e reestruturação imobiliária. Foi assessor da Pro-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária da USP, presidente da Comissão de Graduação dos cursos de Arquitetura e Urbanismo e de Design da FAU, participou da CoCAU Coordenação do Curso de Arquitetura e Urbanismo e participou do Conselho do Departamento e da Coordenação do Grupo de Disciplinas de Fundamentos em diferentes momentos.

More Posts - Website